FARSA DO “NOVO PLANO DE CARREIRA”

Há décadas os governos do PSDB vêm destruindo a educação pública estadual com políticas educacionais de retiradas de direitos e sucateamento da Rede, aplicando políticas ultraliberais na educação. Portanto, João Doria/PSDB e seu secretário de Educação Rossieli vem na lógica de ataques aos direitos dos/as trabalhadores/as e de contrarreformas como o ” Novo Ensino Médio, PEI, entre outras.

De fato, se tivesse a intenção de valorizar o magistério estadual usaria orçamento de R$3,7 bilhões e aplicaria na “nova carreira” para fortalecer a profissão docente no estado de São Paulo, que aliás, o PLC 3/2022 destrói.

E não apresentaria essa farsa do novo plano carreira. E sim, investiria em melhores condições de trabalho e em reajuste de salários, não em subsídios, que acaba com quinquênios, sexta-parte e outros adicionais conquistados a duras penas pelos servidores. Não aceitaremos este absurdo!
Outro problema é que a “nova carreira” ignora a experiência e tempo de servidor do professor.

A evolução na “nova carreira” fica na dependência única e exclusiva de provas e avaliações de desempenho, que podem ser manipuladas de acordo com o interesse do governo.

É importante lembrar que também que a “nova carreira” exclui os aposentados e aposentadas, discriminando e excluindo pessoas que tanto contribuíram para o serviço público.